segunda-feira, 17 de julho de 2017

Momento Poesia!

Quero sentir as tuas mãos em meus cabelos
 Assanhando e embaraçando o meu juízo
Quero me sentir pequena

Quero sentir a tua voz na minha espinha
Arrepiando todos os meus sentidos
Quero me sentir plena

Quero me sentir aquecida pelo pulsar do teu sangue
Quando teu corpo se entrelaça no meu
Quero me sentir serena

Quero sentir o meu coração parar congelado
Quando sentir tua mão em minhas coxas
Quero me sentir crua

Quero sentir as tuas mãos a me explorar
E agarrando-te à minha insensatez
Quero me sentir nua

Quero sentir o teu hálito em meu pescoço
E a tua boca conversando com meu desejo
Quero me sentir tua


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Proseando...

Passageiros

     Todos tivemos grandes amores na nossa vida. Uns permanecem para todo o sempre. Os que não o fazem, só significa que permaneceram o tempo que era necessário. As vezes eles simplesmente passam, formando, assim, o ciclo inexorável da vida, repleta de encontros e desencontros, forçando o nosso amadurecimento e autoconhecimento.

     Ela teve vários amores (tal qual muitos de nós), mas ela teve esse! Um amor enorme que não cabia no peito e que, infelizmente, rompeu-se. Ela e ele ficaram bem, depois da separação, e mantiveram o contato sempre que possível. Às vezes ela o admira de longe, às vezes gostaria que ele ainda estivesse por perto. É um amor verdadeiro que aceita tudo, inclusive a distância.

     Certo dia, um toque à sua porta e ela foi atender. Quando abriu, era ele. Ela o viu e respirou tão profundamente a ponto de se surpreender com a quantidade de ar que poderia caber em seu pulmão. Isso ao mesmo tempo em que seu coração e a própria respiração simplesmente pararam. Coisas que parecem impossíveis mas são reais, a gente sabe disso! E ele estava outra vez diante dela e ela estava completamente sem reação, tamanha era a sua surpresa.

     Os olhos dele, que estavam voltados para baixo, foram subindo devagarinho e olharam-na novamente, naquela noite fria de janeiro. Há quanto tempo que seus olhares não se encontravam assim? Ela procurou em sua memória mas nada estava acessível naquele momento, principalmente porque o que ela viu no olhar dele era de uma profundidade que somente uma grande tristeza pode trazer.

     Ela percebeu, de pronto, que seus olhos precisavam ser abraçados. Pediu para que ele entrasse. Fê-lo sentar e foi preparar um chocolate quente, como nos velhos tempos, mesmo sob os protestos emanados por ele. Queria confortá-lo e faria tudo o que estivesse ao seu alcance.

    Ao sentar em frente a ele e oferecer-lhe o chocolate recém feito – que ele acabou aceitando, ela pôde constatar que ele a olhava com olhos de tristeza, uma desolação tão profunda que só poderia ter um motivo: a perda de um amor! Ela não quis perguntar nada. Esperou pelo tempo dele. E ele, olhava a casa, parecendo que ele a estava avaliando, mas, na verdade, ele só olhava o vazio, várias e várias direções de vazio. Por vezes ele olhava para ela, sem que necessariamente a visse.

    Depois de vários olhares para o aposento e poucos goles de chocolate, ele disse simplesmente: “Meu grande amor se foi!”, o que talvez nem necessário fosse, era quase óbvio que se tratava do martírio de uma quebra, de um fim. Aos poucos, acanhado e sofrido, ele foi contando o desenrolar da história, de como ele amava certa pessoa, de como haviam vividos momentos felizes e de como ela tinha ido embora de repente, deixando-o sem explicações e com o coração esfacelado. Por algum motivo ele escolhera ela para dividir esse momento e ela não ousaria questionar.

   Apesar da distância que os envolvera há tempos, seus laços sempre permaneceram e havia uma facilidade de comunicação e compreensão entre os dois há muito esquecida, por ambos. Aliás, talvez ele tenha se recordado disso e isso o teria feito entrar por uma porta que não mais visitava. Ela, por outro, estava surpresa e assustada, esforçava-se para não demonstrar nada que o fizesse se questionar da decisão que o levara até ali. Ele procurava por um suporte, e ela o seria, de bom grado.

     Mas... O que se faz diante disto? Ela se perguntava. Que conselhos dar à uma alma que chora a perda de um amor verdadeiro? Perder para a vida, perder para a morte... Perdas são perdas, é o cortar a sangue frio um pedaço de nosso próprio coração, de nossa essência. É tirar uma parte de nós... Ela deu o melhor de si, tentando manter a razão em meio a tanta emoção envolvida. Queria ser justa, mas não queria lhe dar falsas esperanças. Queria ser verdadeira mas de maneira nenhuma, cruel. Ela falou e o aconselhou como pôde, como somente os melhores amigos são capazes de fazer. Escutava e falava. Falava e escutava. O chocolate fora abandonado por ambos e ninguém se preocupava com isso. Um vínculo estava formado novamente e ela o ajudaria tanto quanto pudesse.

     E a despeito de todo o esforço que ela fazia para se conter, suas lágrimas rolaram no momento em que as dele, enfim, alcançaram o mundo exterior. As dele, claro, vieram aos montes, pois estavam enjauladas durante toda a conversa, empurrando as grades em busca de liberdade, enfim encontrada. As dela, todavia, foram silenciosas, sorrateiras e vinham solitárias, uma a uma. Nesse momento não havia mais nada a ser dito, então, as lágrimas de um e de outro se encontraram e se misturaram em uma única poça de emoções quando do abraço apertado em que os dois mergulharam.

    Ela o amava tanto e era tão doloroso vê-lo daquele jeito. Queria simplesmente tirar toda a dor que consumia o coração dele e mandá-la para longe para nunca mais voltar. Mas quem, afinal, nunca viveu a perda de um amor? O amor, de certo, é para ser vivido enquanto dure, como já dizia o poeta. E nada dura para sempre. Ora ou outra a perda sobressairá ao amor. A distância ou a morte acabam sempre separando corações. A dor é excruciante, devastadora, mas ela passa! As tristezas passam... Assim como as alegrias. Não é assim que se vive, afinal?

     Depois de um bom tempo juntos, ele resolveu que era hora de partir. Ela poderia querer que ele ficasse mais, mas sabia que ele também precisava ficar sozinho para reorganizar seus pensamentos. Disse a ele, quando da despedida, enquadrados pela porta da frente de sua casa: “O tempo trará calma e conforto a seu coração, meu querido”, e o abraçou mais uma vez. Era bom e reconfortante tê-lo em seus braços novamente, apesar da ocasião tão atribulada.

    Mas, afinal, se estavam falando sobre a vida, ela mesma já havia entendido que as pessoas que se amam são separadas, por vezes, por tempos, por vidas... Então aproveitou este momento de reencontro, imaginando se o teria tão perto alguma outra vez. Ela assistiu à partida dele, ainda preocupada mas consciente de que ele tinha forças para superar e, de certo, assim como todos nós somos forçados, sobreviveria a esta dor.

     O amor é assim: continua existindo não importa a distância entre os amantes! Ele é feito de permanências e partidas, coração inteiros e em pedaços, vida e morte. Percebeu que ele também a amava, mas a vida quis assim, que estivessem separados. Ela o acompanhou de longe, junto com sua melhora paulatina, porém, eficaz. Ela sabia que ele não esqueceria daquele amor perdido em um janeiro já distante e sabia que talvez houvesse um reencontro dali para frente, ou talvez não. Vendo-o, à distância - o coração dele cicatrizado, o coração dela consciente - , pensou consigo mesma: “Nós talvez nos reencontremos daqui para frente... Talvez não...”